Londrina: Prefeitura lança programa de mediação de conflitos no ambiente escolar

Read Time:5 Minute, 58 Second

O prefeito Marcelo Belinati e a secretária municipal de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes, lançaram, na manhã desta terça-feira (27), no gabinete do prefeito, o Programa Professor Mediador, que visa implementar a cultura de paz nas unidades escolares municipais, por meio de medidas que estimulem e promovam a melhoria da qualidade do processo de ensino-aprendizagem na educação básica.

Quatro professores irão atuar no programa, divididos por região (centro-leste, sul, norte e oeste), com a atribuição de trabalhar na mediação de conflitos no ambiente escolar. Também vai haver uma equipe da Secretaria de Educação para atender as escolas da zona rural. Para isso, os profissionais vão trabalhar em articulação com a Rede Intersetorial de Proteção da Criança e do Adolescente dos territórios, que inclui os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e o Conselho Tutelar, e atender as questões de violência que podem surgir no ambiente escolar contra a criança e o adolescente, acompanhamento de casos de abandono e evasão escolar, além de escuta especializada.

O programa será executado tanto nas escolas de ensino fundamental quanto nos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIS) e os mediadores terão um cronograma de atendimento nas unidades, conforme as demandas apresentadas. Paralelamente, a Prefeitura, por meio da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI), da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Tecnologia, está colocando em prática o Sistema de Informações sobre a Violência nas Escolas (SIVE), que permitirá à unidade escolar o registro, em tempo real, de qualquer situação de violência no ambiente escolar que ocorra.

Com ele, poderão ser registradas situações como brigas entre os estudantes, pais ou funcionários, casos de agressão, de bullying, de depredação do patrimônio público escolar, de pichações e de abandono ou evasão escolar. O professor mediador terá acesso aos dados dos SIVE e também vai trabalhar na resolução dos casos apurados no sistema. Durante a solenidade desta manhã, o prefeito regulamentou, por meio de decreto municipal, o SIVE, previsto na Lei Municipal nº 11.631 de 2012, de iniciativa do vereador Amauri Cardoso.

Com estas informações, os professores mediadores poderão acompanhar detalhadamente caso a caso e ajudar na resolução dos conflitos. Já a Secretaria de Educação conseguirá formar um mapa da violência escolar em cada região da cidade. A primeira unidade a receber o projeto será a Escola Municipal Zumbi dos Palmares, localizada no Jardim União da Vitória, zona sul da cidade. O SIVE será testado nestes primeiros 30 dias e, se for necessário, os técnicos do município farão aperfeiçoamentos nele. Assim, ele poderá ser dispersado para todas as unidades escolares municipais de Londrina.

O prefeito Marcelo Belinati destacou que o programa será fundamental para auxiliar as crianças nos problemas que elas possam ter em casa ou no ambiente escolar. “A Rede de Educação vai servir como apoio para estas crianças e adolescentes, para que possamos construir um futuro melhor para elas. Com o SIVE e o Professor Mediador, pretendemos conseguir resolver estes conflitos e saber exatamente onde e o momento em que eles estão acontecendo”, afirmou.

A secretária da pasta, Maria Tereza, enfatizou que a intenção da iniciativa é que a escola, além de contar com o diretor para as questões administrativas e com um coordenador para a área pedagógica e de aprendizagem, tenha também um professor mediador com o olhar para o social. “Esse professor vai identificar diversas situações, para que o aluno não tenha nenhum prejuízo em sua aprendizagem. Por exemplo, se o aluno está com algum problema na família ou para acessar serviços de saúde ou de assistência social, se está sofrendo alguma violência, se deixou de ir pra escola porque não tinha comida em casa ou algo do tipo”, explicou.

Segundo a gerente do Apoio Especializado da Secretaria de Educação, Cristiane Sola, diversas medidas poderão ser desenvolvidas no ambiente escolar por meio do Programa Professor Mediador, de acordo com cada situação apresentada, dentre elas: orientação a pais, professores e equipe gestora; articulação entre a unidade escolar e a rede de proteção da criança/adolescente; e Escuta Especializada das crianças e adolescentes vítimas de violência, que nada mais é do que ouvir essas vítimas em um ambiente reservado, de forma espontânea e acolhedora, para que ela relate a situação o que vivenciou.

Cristiane contou que a escuta será encaminhada para a rede de proteção da criança, como o Conselho Tutelar e o Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), caso necessário, para suprir a investigação sobre o caso. Para trabalhar com a Escuta Especializada, os professores mediadores já passaram por capacitação, treinamento e orientação com a Secretaria de Educação.

O vereador Amauri Cardoso, autor das iniciativas, contou que o SIVE será fundamental para mapear a violência que acontece na comunidade escolar. “Por meio destes dados, será possível desenvolver estratégias para enfrentar e resolver, de forma pacífica, os conflitos”, apontou. Com relação ao Programa Professor Mediador, ele mencionou que servirá como uma estratégia para trabalhar com os dados apurados pelo SIVE, pois um projeto complementa o outro. “Estou muito feliz em ver estes projetos sendo implementados, pois enquanto professor há 30 anos e diretor, vivenciei situações diversas de violência no chão da escola. E agora como vereador pude encaminhar uma solução para estes problemas”, afirmou.

Capacitação – Amanhã (28), a partir das 9 horas, quatro professores mediadores, um profissional de apoio, três servidores da Secretaria de Educação e dois funcionários da Escola Zumbi dos Palmares passarão por um treinamento sobre o SIVE. Eles aprenderão sobre o preenchimento dos dados dentro do sistema, com a ajuda dos profissionais da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI), da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Tecnologia. O treinamento será realizado na sede administrativa da Prefeitura de Londrina.

Após o curso, esses educadores estarão aptos a utilizarem o sistema. A responsabilidade pelo preenchimento dos dados será do diretor da escola, do vice-diretor e do coordenador pedagógico.

A gerente de apoio especializado, Cristiane Sola, explicou que é um sistema simples de ser utilizado, pois apresenta diversas categorias para classificar cada caso e um espaço para preenchimento do relato dos fatos. “É a primeira vez que temos na Prefeitura um sistema como esse. Nós já utilizamos o SINAN, para registrar casos de abuso sexual de crianças, mas com o SIVE conseguiremos fazer um mapeamento mais abrangente de cada território. Assim, poderemos trabalhar com ações mais pontuais e preventivas em cada localidade”, frisou.

O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) traz informações sobre as notificações e a investigação de casos de doenças e agravos, permitindo um diagnóstico da ocorrência de um evento específico na população. Ele é utilizado pelos profissionais da saúde também para o registro de casos de violência contra a mulher, crianças e adolescentes.

Também estiveram presentes na solenidade, o vice-prefeito, João Mendonça; o diretor de Tecnologia da Informação, Márcio Horaguti, representando o secretário de Planejamento, Marcelo Canhada; as professoras mediadoras, entre elas a coordenadora do Programa, Martinha Clarete Dutra, o secretariado municipal e a equipe da Secretaria de Educação.

Para a imprensa: outras informações podem ser obtidas com a secretária municipal de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes, no 3375-0022.

Texto: Dayane Albuquerque e Ana Paula Hedler

Fonte: Prefeitura de Londrina

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Previous post Arapongas: CÂMARA APROVA CRIAÇÃO DE CARGO DE HISTORIADOR
Next post Arapongas: Reunião discute ações de segurança no Conjunto Centauro