UEL: Pesquisa une matemática e agronomia no combate à ferrugem asiática

Read Time:3 Minute, 4 Second

A ferrugem asiática é a doença que mais causa prejuízo à cultura da soja. Segundo informações da Embrapa Soja, o custo médio com a doença é de US$ 2,8 bilhões por safra no país. Ela é causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. Confira dados sobre a primeira vez que a doença foi registrada no Brasil – VEJA DADOS. 

Para ajudar a combater a doença, pesquisas da Universidade Estadual de Londrina (UEL) uniram professores e estudantes dos cursos de Matemática, do Centro de Ciências Exatas (CCE), e Agronomia, do Centro de Ciências Agrárias (CCA). As pesquisas envolvem dois diferentes programas de pós-graduação. 

O professor Paulo Natti orienta o mestrando Eduardo Oliveira Belinelli, do Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional. Já o professor Marcelo Giovanetti Canteri, do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, orienta o doutorando Lucas Henrique Fantin. O objetivo é entender o processo de dispersão do fungo da ferrugem asiática, propor medidas de prevenção e combate à doença. 

Marcelo Canteri explica que a ferrugem asiática não é importante nos Estados Unidos nem na Argentina porque a planta da soja não sobrevive no inverno nesses países, mas a doença é importante no Brasil, que tem a planta durante a estação fria do ano. Países vizinhos plantam a soja antes. Por isso, saber de onde vêm os esporos é importante para o controle da doença.

Monitoramento – A simulação por computador permite saber de onde vêm os esporos do fungo que causa a ferrugem asiática e qual a distância que pode percorrer. Como se trata de grandes regiões, realizar experimentos ficaria inviável. Nesse sentido, o mestrando Eduardo Belinelli realiza uma simulação, a partir de frentes frias, para compreender a dispersão dos esporos do fungo no estado do Paraná. 

Ao todo, ele utiliza dados de várias frentes frias, registradas até 2018, para gerar informações que podem ajudar na prevenção e no controle da ferrugem sanitária. “Desenvolvi uma sequência de comandos e finalizo em um programa de simulação [GNU Octave]”, explica o mestrando. Ele está finalizando a dissertação para o programa em Matemática Aplicada e Computacional e deve defendê-la no mês de fevereiro. 

A dispersão dos esporos do fungo depende do tipo de frente fria registrada e suas características. O professor Paulo Natti explica que há dois tipos de frente fria, com ocorrência no Paraná, que interferem no processo de dispersão. Uma vem da região amazônica e a outra da região polar.

Paulo Natti explica que a partir de informações disponíveis de 2018, sobre a contaminação pelo fungo em áreas do Paraná, os pesquisadores calibram o programa com parâmetros que podem realizar a previsão – a partir de frentes frias – em outros anos.

Parcerias – O professor Marcelo Canteri destaca a parceria interdisciplinar dos dois programas de pós-graduação da UEL. Ao compreender o processo de dispersão dos fungos é possível estabelecer medidas como a adoção do vazio sanitário, a antecipação de semeadura, o plantio de variedades tolerantes e o controle químico. 

O doutorando Lucas Fantin, que pesquisa modelos de simulação para prever a ocorrência de resistência do fungo Phakopsora pachyrhizi a fungicidas, afirma que modelos de simulação como os usados na UEL já foram utilizados para identificar os esporos do fungo nos Estados Unidos. Confira o áudio. 

O vazio sanitário consiste no período em que é proibido manter plantas vivas nas lavouras. Após a colheita, o produtor deve destruir os pés de soja a partir de produto químico ou procedimento físico. No Brasil, o procedimento foi implantado, pela primeira vez, em 2006. Segundo a Embrapa, 13 estados e o Distrito Federal adotam a medida. O período vai de maio a setembro, variando de acordo com o estado.

Fonte: Agencia UEL

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Previous post Arapongas: Prefeitura chama a atenção para descarte irregular de lixo
Next post Arapongas: Investimento de mais de R$ 6 milhões em uniforme e kit escolar na atual gestão